Blog

Progressão na carreira e salário, o que eu aprendi sobre isso!

Olá pessoal, outro dia eu li um post do meu amigo Frederico Maia sobre salário, que também estava vinculado a carreira dele, e também decidi escrever um artigo contando sobre a minha progressão de carreira e naturalmente os salários que tive e o mais importante o que eu tive que fazer no meio do processo de progressão. Vamos lá!

https://dev.to/fredmaiaarantes/meus-salarios-no-brasil-e-como-foi-a-evolucao-da-minha-carreira-2i19

Eu iniciei a minha graduação em Ciência da Computação em 2005, meu conhecimento era perto do zero na época, nem ligar um computador direito eu sabia, na verdade o meu primeiro e-mail no yahoo foi uma colega de classe que fez para mim, pois nem isso eu sabia.

Foi difícil os primeiros anos, mas isso é história para outro artigo, no entanto em 2007, por volta de maio, eu iniciei na TI como estagiário de suporte técnico ao usuário por telefone de uma empresa de internet a rádio em Anápolis. Foram três meses nesse estágio, pois o meu target era ser programador, meu salário era R$ 380,00 por mês44 horas semanais. Na empresa que eu iniciei como estagiário em programação trabalhando com Delphi e PHP, mais PHP na verdade, meu salário ainda era os mesmos R$ 380,00 por mês e 44 horas semanais. Ambas as empresas eu mantive uma estratégia antiga que aprendi ainda como balconista de farmácia. Que é ser importante para a empresa e para os projetos. Isso significa conhecer o máximo possível do negócio da empresa, aprender e se tornar um master nas tecnologias que a empresa utiliza. Isso tudo para ter voz ATIVA em decisões e ganhar confiança da diretoria para receber mais responsabilidades.

Apenas um ponto aqui: Há uma relação muito forte entre ter muitas responsabilidades e ser percebido como alguém importante para a empresa, de tal forma que você passa ser um ativo impar pertencendo a lista branca de funcionários, que no fim significa melhor salário para você.

Em 2008, mais ou menos em junho eu fui contratado como CLT, saindo do regime de estágio, e passando a ganhar R$ 900,00 por mês e 44 horas semanais. Lembro ainda, que eu terminei a minha graduação em dezembro de 2008, mas o meu grau de dependência para essa empresa era tão grande, que não havia outra forma de me segurar nesse emprego a não ser me efetivando e quase triplicando o meu salário. Lembro ainda que essa dependência é fruto de estratégia, Deus me dá as oportunidades e eu trabalho para ter bons resultados delas, simples assim!

Eu fiquei nessa empresa até fevereiro de 2010, nessa época o meu salário era de R$ 2000,00 por mês e 44 horas semanais. Mas novamente eu fiz uma manobra, muitos não o fariam, mas eu gosto de tomar riscos, de forma calculada obviamente. Na empresa anterior eu já tinha chegado no topo, já era um gerente-técnico. Realmente o grau de dependência que a empresa tinha dos meus resultados era muito grande, eu recebi mil promessas para que ficasse por lá. Mas eu conseguia ver olhando para o futuro que ali seria a minha estagnação se eu ficasse por lá. Em fevereiro de 2010 eu iniciei nesta outra empresa com o mesmo salário de R$ 2000,00 e 40 horas semanais. Os desafios eram gigantes, para eu ganhar a confiança e obter muitas responsabilidades eu tive que me desdobrar. Mas, uma vez que eu conseguia mais responsabilidades e eu mostrava que eu era capaz de executar as novas atividades com eficiência eficácia os reajustes de salário eram meio que naturais. Alguns reajustes foram pedidos por mim, outros aconteceram de forma automática.

Apenas um outro ponto aqui: tente ao máximo obter mais responsabilidades que estão com o seu chefe imediato. O seu foco é ganhar confiança do seu chefe para que ele delegue responsabilidades dele para você e você por obrigação tem que ser até melhor que ele na execução dessas novas atividades, para que o seu chefe perceba “e também os demais”. Uma vez que o seu chefe delegue atividades dele para você, naturalmente ele vai ocupar o tempo dessas antigas atividades por outras novas, não tendo mais tempo disponível para ele executar as antigas atividades, criando assim a DEPENDÊNCIA que eu já citei várias vezes aqui neste artigo.

Voltando ao assunto novamente, eu tive as seguintes progressões nesta empresa que iniciei as minhas atividades em 2010 e finalizei em 2017.

No início a minha atividade principal foi de engenheiro de software, mas 5% eram para as questões de liderança e gestão. Em 2010 perto do fim do ano meu salário passou a ser R$ 2500,00 com 40 horas semanais. Em maio de 2011 meu salário passou a ser R$ 3500,00 com 40 horas semanais.

Esse salário de R$ 3500,00 eu fiquei com ele por um bom tempo, inclusive recebi propostas para ganhar até mil reais a mais, mas eu recusei as ofertas justamente por ver que eu podia conseguir mais, tanto como salário como também crescimento em aprendizado. Em 2013, não me recordo bem o mês, acredito que foi por volta de maio, o meu chefe me chamou para uma reunião e por iniciativa da empresa meu salário saiu dos atuais R$ 3500,00 para R$ 5400,00 com 40 horas semanais. Nessa data também eu passei a ser um Coordenador Técnico que hoje é conhecido como Líder Técnico, minhas atividades de programador caíram para 30% do meu tempo, ou menos, e eu liderava por volta de 30 pessoas.

Nessa fase eu comecei a focar muito em ser um bom líder, estudar sobre gestão e tudo relacionado a gerenciamento, custos, pessoas, projetos, etc. Eu fiquei com esse salário por volta de um ano, no final de 2014 o meu salário subiu novamente para R$ 7400,00 com 40 horas semanais. Nessa época eu concentrava muitas atividades na minha mão, eu era o cara que mais conhecia dos diversos produtos da empresa, gerenciava uma grande equipe e ainda continuava me aperfeiçoando cada vez mais. Nessa época eu já havia ultrapassado e marca de mais de 10 certificações internacionais, algumas bem difíceis de se conseguir, exigindo de mim muito foco e planejamento.

Em 2016 eu recebi um novo aumento de salário e foi o ultimo nessa empresa. Meu salário passou a ser R$ 11000,00 com 40 horas semanais. Nesse período eu era gestor 100% do tempo, já havia alcançado o número de 15 certificações, havia iniciado o meu MBA na FGV e no meu histórico havia mais de uma dezena de produtos que eu e meu time havíamos criado do zero e gerava lucro para a empresa, uma série de resultados positivos.

Mas novamente, eu havia chegado no topo novamente, e topo para mim significa muitas coisas somadas juntas. Cargo, salário, conhecimento e visibilidade. Eu até poderia ter dois desses itens, mas não os quatro, e para que eu conseguisse os quatro, eu tinha que sair dessa empresa, e foi o que fiz.

Em setembro de 2017, eu me mudei para a Irlanda como estudante de inglês, com um nível de inglês muito fraco, eu tinha umas metas:

· Aperfeiçoar o meu inglês

· Me reciclar sobre as tecnologias, pois nos últimos 2 anos eu fui basicamente somente gestor, e devido ao meu nível de inglês, somente uma atividade bem técnica seria possível para mim nessa nova jornada

· Reaprender tudo que eu sabia sobre tecnologias, em inglês, pois tudo que eu sabia era apenas em português

· Aprender a fazer entrevistas em inglês e me preparar para as entrevistas técnicas

· Iniciar no novo trabalho em no máximo 4 meses, pois minha família estava no Brasil, e o dinheiro que eu havia deixado e o dinheiro que eu havia trago comigo, tinha uma temporalidade de no máximo 6 meses.

Foram muitas noites com apenas 4 horas dormindo, e estudando 20 horas por dia, mas eu consegui. Em novembro de 2017 eu fui contratado, em 18 de dezembro de 2017 eu iniciei as minhas atividades como Application Developer com a remuneração de € 64000,00 por ano e por 35 horas semanais.

Após dois anos de muito sofrimento com o inglês, esse item passou ser mais um diploma/conhecimento conquistado. Eu troquei o meu visto de trabalho pelo visto que me permite morar na Irlanda sem ter vinculo trabalhista, isso significa que posso trocar de emprego quando quiser, posso trabalhar de “contractor” e tenho flexibilidades que apenas um cidadão de outro pais da Europa teria.

Em janeiro de 2020 eu troquei de emprego, agora eu moro no interior da Irlanda e ganhando salário da capital, Dublin. A minha qualidade de vida realmente deu um salto muito grande, mas isso é um assunto que vou falar no meu podcast que estou desenvolvendo ainda, que em algumas semanas vai sair ao ar, onde vou falar sobre minha carreira e entrevistar um monte de pessoas que também saíram do zero e hoje são profissionais felizes e bem sucedidos, de tecnologia, pelo mundo a fora.

Se gostou, deixe um “clap” abaixo e compartilhe, isso é importante para esse artigo ser lido por muitas pessoas.

Siga-nos no Linkedin e no Medium.

https://www.linkedin.com/company/est%C3%ADa-training

https://medium.com/estia-training

Cleison Ferreira de Melo

Estía Training.

[email protected]
administrator
Senior Software Engineer with over 12 years of experience implementing large back-end software in Java. Including various projects as lead and manager; Lead and build the most important open source IT Service Management software in Latin America, CITSmart, certified in 13 ITIL processes that increased the company's revenue by over 30%. Redesign and build important legacy software such as (Occupational Medicine) that manages over 100,000 lives. I have published six on-line courses that are available on the Udemy platform with over 150,000 students. Awarded the prestigious 1st place, awarded to the top innovative projects.

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.